Mais mulheres na governança: por que ainda precisamos falar disso?

Mais mulheres na governança: por que ainda precisamos falar disso?

47
SHARE

Crescimento do gênero feminino nos espaços corporativos caminha a passos lentos, mas programas que promovem esse movimento podem ser catalisadores para mudar o cenário

Pesquisas apontam que as mulheres ainda ocupam uma pequena porcentagem nas corporações, principalmente em cargos de liderança. Quando se fala em presença feminina nos conselhos de administração esse número é ainda menor. De acordo com a pesquisa Brasil Board Index 2021, desenvolvida pela empresa de consultoria Spencer Stuart, as mulheres ocupam, atualmente, 14,3% das cadeiras dos Conselhos de Administração no Brasil.

Ainda nesse contexto, o relatório Women in Business and Management: The Business Case for Change (em tradução livre: ‘Mulheres nos negócios e na gestão: por que mudar é importante para os negócios), realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), indica que empresas que investem em políticas de igualdade de gênero e diversidade apresentam melhores resultados, inclusive na sua rentabilidade. Então, a pergunta que fica é: Por que ainda não há equidade de gênero nas corporações?

Essa foi uma das indagações que impulsionou a criação do programa + Mulheres na Governança, uma iniciativa do MEX Brasil – Espaço Mulheres Executivas, grupo vinculado à Lapidus Network, destinado a mulheres executivas e empreendedoras em cargos de gestão de pequenas, médias e grandes empresas. Assim, o programa, que não tem fins lucrativos, nasceu da vontade de oito mulheres de mudar o cenário atual da governança corporativa e aumentar a representatividade feminina nos conselhos e demais órgãos de governança.

Programa + Mulheres na Governança já tem data do seu primeiro encontro

“Despertar”, no sentido literal da palavra significa acordar, mas também pode remeter a sair do estado de inércia e ter um novo olhar diante do retrato que se apresenta. Esse termo foi escolhido para nomear a primeira etapa do Programa + Mulheres na Governança, que teve o seu lançamento em maio deste ano, com o preenchimento de 100% das vagas em menos de 15 dias.

Dividido em duas etapas, o Programa não exige pré-requisitos, como formação técnica, ramo de atuação ou idade. Na primeira etapa, será abordado especialmente o “Despertar”, com cinco encontros, em que as participantes se aprofundam no universo da governança corporativa e as possibilidades de atuação. Já a segunda, aborda o “Fortalecer”, onde as participantes se conectam com histórias inspiradoras, mentorias, parcerias, avaliações das habilidades necessárias para ocupar as posições de governança, acesso a headhunters e diversos momentos de networking, entre outros.

De acordo com a Janete Anelli, especialista em finanças e governança corporativa, Conselheira de Administração (CCA IBGC) e membro do Comitê do Projeto, “O modelo mental, independente do gênero, ainda está majoritariamente direcionado para que os homens ocupem as posições de liderança e as cadeiras dos conselhos. Mudar este modelo, requer constante reforço da capacidade das mulheres e de que a diversidade traz inúmeros benefícios às empresas e a sociedade em geral. O programa +Mulheres na Governança vem com este objetivo também, despertando e fortalecendo as participantes para essa mudança, até que um dia, não seja mais necessário nenhum programa, porque já fará parte do mind set de todos”.

Maria Fernanda Teixeira, conselheira de empresas e palestrante do programa, também ressalta que o tema deve estar presente na agenda de quem toma as decisões para que se possa catalisar a pauta das mulheres na governança. “Precisamos criar a sinergia e divulgar essa temática sempre que possível, para que possamos despertar a sociedade, homens e mulheres, da importância da diversidade de gênero nas corporações e, principalmente, despertar àqueles que tomam as decisões, neste caso, os homens.”, afirma.

Na próxima sexta-feira (29), das 8h30 às 12h30, acontece o primeiro encontro do programa. A ideia é abordar a Governança de forma geral, de modo que todas as participantes tenham um nivelamento do tema e estejam preparadas para os próximos encontros.

A Conselheira de Administração, Geovana Donella irá abordar sobre o que é governança e onde é aplicada. O Board Member, Anderson Godz, irá falar sobre governança em startups e o novo mercado. E o Fundador e Presidente do Conselho de Sócios da Höft – Bernhoeft & Teixeira, Renato Bernhoeft, irá encerrar o encontro com o tema transição da 1ª para 2ª geração.

Serviço
1º Encontro Programa + Mulheres na Governança

Data: 29 de julho

Horário: das 8h30 às 12h30

Local: Encontro da Amazônia

Endereço: Rua Nilo Peçanha, 1907, Bom Retiro, Curitiba-PR

Sobre a Lapidus


Com quase 20 anos no mercado, a Lapidus é uma empresa especializada em gestão estratégica e educação executiva. Seu foco é a disseminação de conhecimento sobre estratégias de negócios associado a um networking diferenciado. Suas iniciativas oferecem soluções relevantes e personalizadas para o desenvolvimento de organizações e pessoas com foco no estratégico, no resultado, na produtividade, na qualidade e em inovação, um trabalho valorizado por executivos e executivas das mais importantes empresas do País que escolheram fazer parte do projeto Lapidus. Mais informações em: www.lapidusnetwork.com.br

Sobre o MEX


O MEX Brasil – Espaço Mulheres Executivas foi criado em 2006, vinculado à Lapidus, visando criar um ambiente de interação e troca de networking que ampliasse e debate sobre a participação feminina no ambiente corporativo. Com o passar dos anos o movimento se fortaleceu e consolidou-se com a formação de uma aliança empresarial pelo desenvolvimento da mulher, que se reúne em encontros mensais com a participação de executivas e empreendedoras em cargos de gestão de pequenas, médias e grandes empresas. O espaço promove o desenvolvimento pessoal e profissional das participantes, estimulando o fomento de negócios e o fortalecimento das relações empresariais. Mais informações em: www.espacomulheresexecutivas.com

Crédito: EXCOM

LEAVE A REPLY